SOCORO, tô nem aí, tentando, trabalho

Acho uma palhaçada

clown-main_thumb clown-main_thumb

Reduzi aqui, reorganizei ali, cortei acolá (e estou falando de dinheiro, não de mim mesma). Até que cheguei a um ponto em que percebi: a não ser que eu pare de comprar comida, não tem mais o que cortar neste meu orçamento de mulher-que-mora-sozinha-com-25-anos-e-gastou-todas-as-economias-com-viagens-a-Paris. E até conseguir pagar a pós e minhas dívidas decidi fazer uma renda extra. E agora ninguém me segura!!!

Juro, juro por Deus que tô quase clicando naqueles banners malfeitos que geralmente têm uma foto de mulher feliz falando EU GANHO 1.600 REAIS POR DIA SEM SAIR DE CASA, SAIBA COMO. Mas tenho medo de saber como, sei lá. Pra mim, essa coisa de ganhar 1.600 reais por dia sem sair de casa só pode passar vírus.

Aí passando aqui pela minha rua dei de cara com um buffet infantil assim, meio esquisito, que abriu faz algumas semanas. Adivinha? Entrei em contato e vou fazer uma entrevista lá amanhã.

Eu, Alice Desespero, profissional com uma bela e respeitável carreira de segunda a sexta feira, prestes a fazer uma entrevista num buffet infantil meio esquisito.

Pois é. Além de não ter um vintém, é capaz de eu passar os próximos finais de semana da minha vida sendo chamada de palhaça por crianças com metade do meu tamanho.

Me desejem boa sorte,

Alice Desespero*

Advertisements
Standard
errei de novo, trabalho

Que desespero

office-worker-retro office-worker-retro office-worker-retro office-worker-retro

Sabe quando você fala pro seu chefe que não assiste  TV a cabo porque está sem dinheiro para pagar TV a cabo e depois percebe que falar disso com seu chefe pode pegar mal e depois percebe que não pegaria mal se ele pagasse bem mas mesmo assim acha que você poderia ter se esforçado para pegar melhor? Ou pagar

Então.

Cordialmente,

Alice Desespero*

Standard
trabalho

Produtividade é uma coisa fofa

   

Não que eu seja incompetente, não é isso. É que confesso que tem sexta-feira chuvosa que eu trocaria uma promoção na carreira por uma promoção na Maria Filó, assim, fácil. Quando bate aqueeeeela coisa, aqueeeela indisposição, aqueeeela vontade de passar o resto da tarde vendo Sessão da Tarde e comendo brigadeiro. Sabe como é? Comi minha marmita, já apelei pro café do escritório e o relógio continua parado. E não dá pra achar que ele tá quebrado, porque o relógio do computador nunca quebra, eu acho.

Aí a Cris me manda uma URL cheia de bichinhos fofos. E dessa eu vou pra outra. E outra. E mais outra. E começo a ficar até mais acordada de fofura. “Não é possível”, eu penso, isso tem que ter alguma utilidade pra humanidade, esses filhotes de gatos enfofando a internet. Aí joguei no Google essa questão e encontrei essa pesquisa, que saiu em mil links, incluindo na Galileu, via Life Inc:

“Uma pesquisa feita na Universidade de Hiroshima, provou que um tempo de exposição à fofura aumenta sua produtividade – pelo menos em tarefas mais complexas, que exigem mais cuidado. Os cientistas, que fizeram as pessoas jogarem um game de estratégia após verem fotos fofas, acreditam que isso acontece porque os filhotes sugerem vulnerabilidade e ficaríamos mais cuidadosos, mesmo que de forma inconsciente, após olhar para eles. A conclusão é que qualquer um que trabalhe usando muito sua concentração e cuidado – como em contabilidade ou edição – pode se beneficiar ao ter uma foto de um filhotinho dormindo sobre sua mesa.”

Via LifeInc 

Aí resolvi aproveitar minha tarde improdutiva e dividir com vocês algumas fotos para ajudar em seu dia de trabalho. É só passar o mouse e ver quanto cada uma equivale em grau de produtividade, numa medida completamente inventada por mim. BOM TRABALHO!

  fofo3 fofo4 fofo5 fofo6 fofo9 fofo10 fofo11 fofo7  fofo1 fofo2 fofo13 fofo14

post_desespero post_desespero

Standard
de graça, marmita, trabalho

Marmita magra, cafezinho salgado e a fome eterna da hora do trabalho

vintage-coin-operated-machine-life-1947_coffee vintage-coin-operated-machine-life-1947_coffee vintage-coin-operated-machine-life-1947_coffee vintage-coin-operated-machine-life-1947_coffee

Almocei às 13h e já tenho fome. Minha linda marmita de 2 bifes magros com 1 batata cozida, preparada às 5 e meia da manhã, definitivamente não devia gerar fome tão rápido! Hoje à noite tenho aula e não queria gastar com um lanchinho assim, sem nenhum motivo especial. Pensa rápido. O que fazer? Pensando bem, pensa devagar. Que aí o tempo passa mais rápido e logo chegam quatro horas, que é a hora que eu me permito pausar meu trabalho e tomar um café aqui no escritório. Socializar, acordar e tal. Um café que aqui no escritório é de graça! Ieba! O que, pensando bem, quer dizer que eu ganho uns 360 reais adicionais em café no meu salário no final do mês, considerando-se a média de 4 reais por xícara de café, que é a média aqui no Itaim. Será que se eu parar de tomar o café do escritório tenho direito de pedir minha parte em dinheiro? A SE PENSAR.

Isso me lembrou que tenho meu estoque de emergência no frigobar aqui do escritório: duas laranjas, um iogurte grego e alguns capuccinos prontos, daqueles novos da 3 corações (mais um gasto à toa, levando-se em consideração os 360 reais em café mensais que eu já tenho e são meus por direito… preciso realmente ver isso, qual era mesmo o ramal do RH?).

Ok. Vamos ver. Iogurte grego mata mais fome que laranja, né? Nossa, por que EU TRAGO LARANJAS PARA O ESCRITÓRIO

 

Um beijo e um cafezinho,

Alice Desespero*

Standard